Cirurgia para retirada das lesões:

nevos melanocíticos

 Indicação:

 As lesões que forem suspeitas, isto é, aquelas que têm potencial de virar um câncer de pele, devem ser removidas através de uma pequena cirurgia. Chamamos de exérese excisional, onde retiramos toda a lesão.

 Caso ela seja grande demais e corra risco de ficar com uma cicatriz muito grande, primeiro se opta por fazer uma biopsia incisional, onde se retira somente parte da lesão aguardando o diagnostico para se programar o tratamento.

Anestesia: Primeiramente é feita uma anestesia local

Ato cirúrgico: a incisão é feita com bisturi ao redor da lesão, onde deve-se deixar uma margem de segurança para que seja retirada por completa a lesão. O cirurgião  já pensando em um diagnostico, saberá qual é esta margem de segurança, uma vez que cada lesão em especial possui a sua. Ai esta lesão é dissecada e renovida.

Cada local do nosso corpo deve respeitar uma direção na hora de se fazer a incisão para evitar cicatrizes muito aparentes, isso deverá ser de competência do cirurgião para realização. Após a retirada é feita a hemostasia, ou seja, o sangramento deve ser contido.

A sutura deverá ser feita da melhor e mais delicada maneira para que se evite cicatrizes de má aparência. Existem varias maneiras de se fazer a sutura e a escolha, dependerá do seu medico a escolha correta. 

 Pós operatório: por mínimo que seja o procedimento nunca devemos deixar de considerá-lo como um procedimento cirúrgico. O curativo normalmente permanece até o retorno do paciente.

Retirada de pontos: normalmente de 5 a 7 dias. Importância do auto-exame O autoexame é método para você examinar regiões do corpo de difícil visualização. É recomendado que se faça o autoexame a cada 3 meses. Com a ajuda de um espelho de mão e um outro de parede você pode examinar o corpo todo, ou pedir a ajuda de um amigo ou parente para auxiliá-lo. De todo forma o auto-exame vai auxiliar a visualização de lesões, porém é fundamental que pelo menos uma vez ao ano suas pintas sejam avaliadas. A Prevenção pode significar a diferença entre a gravidade das lesões pois apesar das altas taxas de incidência do câncer de pele os altos índices de cura ocorrem principalmente devido ao diagnóstico precoce. Reforçando novamente os sinais de alerta, para que fiquemos atentos.

 Sinais de alerta » Todas as pintas que sofram modificações (crescimento ou mudança de cor) num curto período de tempo (semanas ou meses); » Aquelas que coçam, ardem ou doem; » Sinais escuros nas plantas dos pés, palmas das mãos, couro cabeludo, dentro da boca ou nas mucosas dos genitais; » “pintas” que sangram. » Coloração: se numa mesma pinta começam a surgir várias cores como preto, azul, cinza, esverdeado, vários tons de marrom; »

Tamanho: se a pinta vem crescendo ou diminuindo; » Bordas: observar se as bordas estão ficando irregulares; » Assimetria: se antes a pinta era redondinha e agora está ficando assimétrica. » Lesões que não cicatrizam sejam na pele ou mucosas » Mancha ou pinta, mesmo que de nascença que modifique de cor, tamanho, espessura ou bordos, ou apresentem coceira, dor, sangramento » Qualquer verruga ou espinha de pele, que sejam persistentes, aumentem de volume, cocem, doam ou sangrem com facilidade. » Manchas escuras (pintas) que se tornem mais pretas, bordos irregulares, elevadas, que sangrem com facilidade